Análise do modelo de assistência em saúde mental na gestão Erundina - 1989-1992

Análise do modelo de assistência em saúde mental na gestão Erundina - 1989-1992

Author Migliari, Fabricia De Freitas Faria Autor UNIFESP Google Scholar
Advisor Marcolan, Joao Fernando Autor UNIFESP Google Scholar
Institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Graduate program Enfermagem
Abstract Brazilian Psychiatric Reform was characterized by mental health care services restructuration and working process with new ways of care, it occurred from a political process of social transformation based on great political and social mobilization during Brazilian re-democratization process in the Health Reform context. Innovative experiences in Brazil particularly involving the mental health care in São Paulo city which was highlighted due to the intense aim of social, political and technical movements and its innovative approach of service networks. This study aims to analyze the mental health care model implanted in the period between 1989-1992 in the São Paulo City, disclosed by its collaborators; the technical-welfare and theoretical-conceptual influences in the choice of the implemented Mental Health Care model; to verify the changes undertaken by this Mental Health Care model and to analyze the influence of this implanted model in the changing of the mental illness social paradigm through participants' perception. We used the oral history method to revisit past experiences from the managers’ narrative of the Mental Health Program of the São Paulo city. As a result, we introduce the social political engagement of health professionals in student movements and, later, in the social movements of Mental Health against the hospital-centered model. The São Paulo City model was built inside the Mental Health Nucleus of the Workers Party (PT), its creators were linked to the unions, popular movement and a political party, with influences on the Health Reform conceptual ground and from the epistemological data of the population. The network of Mental Health Care was established in a decentralized and hierarchical way, consisting of Basic Health Units (UBS), UNCOVITI, Day Hospital (HD), General Hospital (HG), Emergency Room (PS), Therapeutic Residential Service SRT) and Coexistence and Cooperative Center (CECCO). The Model had a great impact on the amount of implemented services, reduction of hospitals beds and the closing of psychiatric hospitals. The health care professionals’ training and qualification, developed by this management, was one of the factors responsible for the transformation of psychiatric care and for the breaking of the paradigm of madness in society. Despite all innovation of the São Paulo City model, its purposes were not considered by Health Mental Care National Policy. The incorporated and chosen model was in the CAPS (Center of Psychosocial Attention) type implement format, which maintained the excluding view of the person with mental disorder of health services in general and society. We conclude that the choice of the assistance model in Mental Health, both in São Paulo City and in Brazil, was caused through the political bias, in agreement with the directions of the political-ideological groups.

A Reforma Psiquiátrica brasileira ocorreu durante a redemocratização do país, no contexto da Reforma Sanitária, a partir de um processo político de mobilização e transformação social, caracterizado pela reestruturação dos serviços, dos processos de trabalho na assistência em saúde mental e com novas formas de cuidado. Nesse período, experiências inovadoras ocorreram no Brasil, como a assistência em saúde mental paulistana. Este trabalho tem como objetivos analisar o modelo de assistência em saúde mental no município de São Paulo, implantado no período entre 1989 a 1992, desvelado por seus colaboradores; analisar as influências técnico-assistenciais e teórico-conceitual na escolha do modelo de assistência em Saúde Mental implantado; verificar as mudanças promovidas por esse modelo de assistência em Saúde Mental; analisar, pela percepção dos participantes, a influência do modelo implantado de assistência em Saúde Mental na mudança de paradigma social da loucura e o modelo de assistência em saúde mental no município de São Paulo, implantado no período entre 1989 a 1992, desvelado por seus colaboradores. Utilizamos o método da história oral para revisitarmos as experiências passadas, a partir das narrativas dos gestores do Programa de Saúde Mental do Município de São Paulo. Como resultado, apresentamos o envolvimento político social dos profissionais da saúde nos movimentos estudantis e, posteriormente, nos movimentos sociais da Saúde Mental contra o modelo hospitalocêntrico. A construção do modelo paulistano se deu no Núcleo de Saúde Mental do Partido dos Trabalhadores, seus idealizadores estavam ligados aos sindicatos, aos movimentos populares e partido político, com influências nas bases conceituais da Reforma Sanitária e a partir dos dados epistemológicos da população. Criada a rede de serviços de saúde mental, de forma descentralizada e hierarquizada, constituída por Unidades Básicas de Saúde (UBS), Unidade de Convivência Terapêutica Intensiva (UNCOVITI), Hospital dia (HD), Hospital Geral (HG), Pronto Socorro (PS), Serviço de Residencial Terapêutica (SRT) e Centro de Convivência e Cooperativa (CECCO). O modelo teve grande impacto em relação à quantidade de serviços implantados, à diminuição de leitos e ao fechamento de hospitais psiquiátricos. A capacitação e a formação dos profissionais de saúde mental, desenvolvida pela Gestão, foram fatores responsáveis pela transformação da assistência psiquiátrica e para a quebra do paradigma da loucura na sociedade. Apesar de toda a inovação do modelo paulistano, a pesquisa mostra que seus propósitos não foram contemplados nas Políticas Nacionais de Saúde Mental. O modelo incorporado e escolhido foi no formato de equipamentos tipo CAPS, mantendo a visão excludente da pessoa com transtorno mental dos serviços de saúde em geral e da sociedade. Concluímos que a escolha do modelo de assistência em Saúde Mental, paulistano e brasileiro, se deu pelo viés político, em acordo com as articulações dos grupos político-ideológicos.
Keywords Health Policy
Mental Health
History
Psychiatric Reform
Public Policies.
Política De Saúde
Saúde Mental
História
Reforma Psiquiátrica
Políticas Públicas.
Language Portuguese
Date 2019-05-30
Knowledge area Enfermagem, Cuidado E Saúde
Publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extent 267 p.
Origin https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=8831538
Access rights Closed access
Type Thesis
URI https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/59926

Show full item record




File

File Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Search


Browse

Statistics

My Account