Ossos do ofício: um estudo sobre a saúde mental e a qualidade de vida de residentes do programa de residência médica em ortopedia e traumatologia da UNIFESP-EPM

Ossos do ofício: um estudo sobre a saúde mental e a qualidade de vida de residentes do programa de residência médica em ortopedia e traumatologia da UNIFESP-EPM

Author Esquivel, Daniela Arroyo Autor UNIFESP Google Scholar
Advisor Yazigi, Latife Yazigi Autor UNIFESP Google Scholar
Institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Graduate program Psiquiatria e Psicologia Médica
Abstract Estudos com residentes de diferentes especialidades médicas referem altas prevalências de distúrbios emocionais e disfunções profissionais como estresse, depressão e burnout, principalmente durante o primeiro ano de treinamento. Apesar desses fatores serem de extrema relevância, e poderem comprometer o aprendizado e o desempenho dos residentes em suas tarefas, poucos estudos abordam especificamente a saúde mental dos residentes de ortopedia. Docentes do Departamento de Ortopedia da UNIFESP-EPM apresentaram preocupação com a elevação do número de desistência e a alta incidência de problemas psicológicos entre os residentes de ortopedia. Baseando-se nesses fatos um estudo sobre os aspectos psicológicos e a saúde mental dos residentes de ortopedia foi desenvolvido. Objetivo: avaliar, ao longo do período de residência médica, a incidência de dificuldades emocionais, tais como estresse, burnout, depressão e ansiedade em médicos residentes do Programa de Residência Médica em Ortopedia e Traumatologia da UNIFESP-EPM. Método: estudo de caso prospectivo. Participantes: 13 residentes, todos do sexo masculino, média de idade de 26 anos. Instrumentos: Método de Rorschach, Sistema Compreensivo, análise dos Índices DEPI e CDI e das variáveis R, nota D, es, Sum Y e An. Inventários, Maslach de Burnout (MBI), Inventários Beck de Depressão (BDI) e Ansiedade (BAI), de Qualidade de Vida (WHOQOL). Procedimento: Aplicação do Método de Rorschach no 1º (T0), 12º (T2) e 32º mês da residência (T3) e aplicação dos inventários no 1º (T0), 6º (T1), 12º (T2) e 32º mês do programa de residência médica em ortopedia e traumatologia (T3). Resultados: Por meio do Método de Rorschach, observou-se que uma elevada quantidade de respostas de conteúdo mórbido (MOR) em T0, que diminuiu acentuadamente ao longo do tempo (T3). Com relação às variáveis, FD e S apresentaram mínima diminuição de T0 para T3, contudo apresentaram expressivo aumento de ambas as variáveis em T2. Os residentes iniciam as atividades do programa de residência em ortopedia apresentando componentes autodepreciativos, de autocobrança e autoinspeção elevados, que vão se diluindo/dissipando ao longo do tempo e deixam de ser significativos. No MBI, os dados encontrados foram os seguintes: (a) Exaustão Emocional: T0=17,6; T1=29,5; T2=24,6; T3=22,1; (b) Despersonalização: T0=9,7; T1=15,9; T2=15,3; T3=13,7; (c) Realização Profissional: T0=31,2; T1=25,1; T2=26,6; T3=27,8. No BDI: T0=3,5; T1=11,5; T2=9,0; T3=11,2. No BAI: T0=3,9; T1=9,5; T2=5,8; T3=6,9. No WHOQOL, (a) Domínio Físico: T0=23,1; T1=16,9; T2=19,1; T3=20,7; (b) Domínio Psicológico: T0=22,8; T1=19,1; T2=19,6; T3=19,5; (c) Domínio Social: T0=11,8; T1= 8,7; T2=9,5; T3=10,2; (d) Domínio Ambiental: T0=30,8; T1=24,2; T2=26,8; T3=27,9; (e) Domínio Geral: T0=8,1; T1= 5,8; T2=6,1; T3=6,7. O grupo apresentou sintomas de depressão, ansiedade, burnout e diminuição da qualidade de vida, principalmente no sexto mês do R1 (T1). Os sintomas diminuíram ao longo do tempo, contudo não retornaram no final do R3 (T3) aos menores valores encontrados no início do treinamento (em T0). Conclusão: A residência médica não se apresenta deletéria ou prejudicial, contudo pode ser fonte potencializadora de vulnerabilidades emocionais, principalmente durante o primeiro ano dada a inexperiência, o ritmo e a intensidade da tarefa médica. O período de treinamento não os oprime, ao contrário, parece promover mudanças importantes e necessárias para sua formação como futuros especialistas. Foi possível observar que ao longo do tempo, apresentando maior nível de experiência da área médica, mostram-se mais assertivos e autoconfiantes, e passam a utilizar menos recursos defensivos face às demandas externas. Comportam-se de modo semelhante quando comparados ao grupo da amostra normativa brasileira, uma vez que são submetidos às mesmas tensões e pressões externas que geram estresse situacional e ansiedade, que são vivenciadas por todos aqueles que vivem em grandes cidades como São Paulo. Tendo em vista que os programas de residência médica podem ser fontes potencializadora de vulnerabilidades emocionais, é importante apontar para a necessidade de programas de tutoria para dar maior apoio emocional aos residentes principalmente no seu primeiro ano de residência.
Keywords saúde mental
residência médica
burnout
depressão e ansiedade
rorschach
Language Portuguese
Date 2015-06-27
Published in ESQUIVEL, Daniela Arroyo. Ossos do ofício: um estudo sobre a saúde mental e a qualidade de vida de residentes do programa de residência médica em ortopedia e traumatologia da UNIFESP-EPM. 2015. Tese (Doutorado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2015.
Research area Medicina
Knowledge area Ciências da saúde
Publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Origin https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=2400146
Access rights Closed access
Type Thesis
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/48901

Show full item record




File

File Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Search


Browse

Statistics

My Account