Efeitos do lipopolissacarídeo de escherichia coli (ecoli) sobre as catecolaminas nas células mesangiais humanas imortalizadas e em situação de hipóxia

Efeitos do lipopolissacarídeo de escherichia coli (ecoli) sobre as catecolaminas nas células mesangiais humanas imortalizadas e em situação de hipóxia

Author Peralta, Dayane Cabo Grosso Autor UNIFESP Google Scholar
Advisor Casarini, Dulce Elena Casarini Autor UNIFESP Google Scholar
Institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Graduate program Medicina Translacional
Abstract As células mesangiais (CM) possuem toda a maquinaria para a produção das catecolaminas (CA): dopamina (DA), adrenalina (AD) e noradrenalina (NOR), bem como expressam o mCD14, um dos componentes do receptor de lipopolissacarídeo (LPS) que está associado ao Toll Like receptor tipo 4 na superfície celular. O LPS e a hipóxia celular presentes na sepse são fatores que podem desencadear a insuficiência renal aguda. O objetivo deste estudo foi avaliar possíveis alterações na produção/liberação de catecolaminas (CAs) pelas células mesangiais humanas imortalizadas (CMHI) frente ao estímulo com LPS/hipóxia. As CMHI foram cultivadas em meio DMEM (Dulbecco’s Modified Eagle’s Medium) com 10% de soro bovino fetal até a confluência. No dia do experimento estas células foram cultivadas com meio DMEM sem soro fetal bovino, e posteriormente submetidas à incubação com LPS e à situação de hipóxia. As CAs e o cofator tetrahidrobiopterina (BH4) foram quantificados utilizando-se cromatografia líquida de alta performance (HPLC). A expressão das enzimas que sintetizam CA foi avaliada por Western Blotting. As CMHI apresentaram-se viáveis frente ao processo de LPS/hipóxia. LPS 100 μg/mL elevou no compartimento intracelular os níveis de NOR e AD discretamente, sendo significante o aumento de L-DOPA e DA. Em paralelo, reduziu a concentração de NOR, AD, DA e L-DOPA no meio extracelular. Houve um aumento na expressão da enzima tirosina hidroxilase (TH) nas CMHI incubadas com LPS 100 μg/mL, similar aos níveis de CA observados nestas células frente ao mesmo estímulo. Os níveis de BH4 no compartimento extracelular estão diretamente relacionados aos níveis de elevados L-DOPA no grupo LPS/hipóxia. Os resultados sugerem que o LPS/hipóxia pode influenciar a atividade da enzima passo limitante da cascata de produção de catecolaminas a TH e seu cofator, ambos aumentados no meio intracelular, bem como a produção/liberação das CA nas CMHI, um modelo sem interferência neuronal. Esses resultados sugerem que as CAs produzidas nas CMHI podem agir de forma autócrina e parácrina no rim, ora vasodilatando ora vasoconstritando as arteríolas, contraindo as CMs, participando desta forma na fisiopatologia da insuficiência renal aguda, podendo levar a perda da função renal.
Keywords lipopolissacarídeo
catecolaminas
células mesangiais
Language Portuguese
Date 2013-02-27
Published in PERALTA, Dayane Cabo Grosso. Efeitos do lipopolissacarídeo de escherichia coli (ecoli) sobre as catecolaminas nas células mesangiais humanas imortalizadas e em situação de hipóxia. 2013. Dissertação (Mestrado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2013.
Research area Medicina
Knowledge area Ciências da saúde
Publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Origin https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=929420
Access rights Closed access
Type Dissertation
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/48666

Show full item record




File

File Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Search


Browse

Statistics

My Account