Baixa sensibilidade macular inicial como preditor precoce de cronicidade em olhos com coriorretinopatia serosa central

Baixa sensibilidade macular inicial como preditor precoce de cronicidade em olhos com coriorretinopatia serosa central

Author Ribeiro, Joao Crispim Moraes Lima Autor UNIFESP Google Scholar
Advisor Campos, Mauro Silveira de Queiroz Campos Autor UNIFESP Google Scholar
Institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Graduate program Tecnologias e Atenção à Saúde
Abstract Purpose: To investigate the relationship between retinal sensitivity and persistence of subretinal fluid and then to analyze microperimetry as a prognostic predictor of acute central serous chorioretinopathy (CSC). Methods: A prospective observational study. Fourteen eyes of 14 patients presenting with a first episode of acute CSC were enrolled and underwent ocular examination, SDOCT and MAIATM microperimetry. After 3 months of follow-up, without any treatment, visual acuity (VA), SD-OCT macular thickness and microperimetry assessments were repeated. The main outcome measurement was to find a relation between initial macular sensitivity and persistence of subretinal fluid. A ROC curve (Receiver Operating Characteristic) was plotted to indicate the best macular sensitivity cutoff point that would be able to predict whether a patient with acute CSC would progress to the chronic form. According to the cutoff, we calculated the sensitivity, specificity, and positive and negative predictive values for macular sensitivity as a method to predict persistence of subretinal fluid. Results: Based on the ROC curve, a cutoff of 20 dB of macular sensitivity as the best balance between sensitivity and specificity to predict chronicity was obtained. Using this cutoff, the method had a sensitivity of 71% and specificity of 100% with a PPV of 100% and NPV of 78%. Furthermore, it was found that eyes with acute CSC and microperimetry of less than 20 dB had a relative risk of 4.5 to develop subretinal fluid persistence. Discussion: Microperimetry with a cutoff of 20 dB may be a useful test to predict the persistence of subretinal fluid, allowing the ophthalmologist to use treatment tools earlier, preventing extracellular damage and visual impairment.

Objetivo: Investigar a relação entre a sensibilidade e espessura macular na Coriorretinopatia Serosa Central (CSC) e analisar se a baixa sensibilidade macular inicial seria um preditor precoce de cronicidade da CSC. Métodos: Estudo prospectivo e observacional. 14 olhos de 14 pacientes foram incluídos após diagnosticado CSC aguda e foram acompanhados por pelo menos 3 meses. Foram submetidos a exame ocular, OCT-SD e microperimetria com MAIATM. Após 3 meses de seguimento, sem qualquer tratamento, a acuidade visual (AV), quantificação da espessura macular e análise da microperimetria foram realizados novamente. Principais desfechos foram AV em logMAR, a quantificação da sensibilidade média macular central e relação entre a sensibilidade e espessura da mácula. Também foi calculada a curva ROC para definir o melhor ponto de corte da sensibilidade macular que seria capaz de prever se pacientes com CSC aguda progrediriam para cronicidade. De acordo com o ponto de corte, calculou-se a sensibilidade, especificidade, valor preditivo positivo e negativo (VPP, VPN) para sensibilidade macular como método para prever se CSC aguda evoluiria para cronicidade. Resultados: Correlação moderada significativa foi encontrada entre a sensibilidade e espessura macular em CSC aguda (r = -0,57, P = 0,03). Com base na curva de ROC, obteve-se ponto de corte de menos de 20 dB da sensibilidade macular como o melhor equilíbrio entre a sensibilidade e especificidade para predizer cronicidade. Com esse ponto de corte, o método teve sensibilidade de 71% e especificidade de 100% com VPP de 100% e VPN de 78%. Além disso, verificou-se que olhos com microperimetria de menos de 20 dB e CSC aguda tiveram um risco relativo de 4,5 de evoluir para forma crônica. Discussão: Microperimetria com um corte de 20 dB pode ser um teste útil para predizer a persistência de fluido subretiniano, permitindo ao oftalmologista usar métodos de tratamento mais precoce, evitando dano extracelular e deficiência visual.
Keywords coriorretinopatia serosa central
tomografia de coerência óptica
técnicas de diagnóstico oftalmologico
prognóstico
Language Portuguese
Date 2013-10-30
Published in RIBEIRO, Joao Crispim Moraes Lima. Baixa sensibilidade macular inicial como preditor precoce de cronicidade em olhos com coriorretinopatia serosa central. 2013. 26 f. Dissertação (Mestrado Profissional) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2013.
Research area Medicina
Knowledge area Ciências da saúde
Publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extent 26 p.
Origin https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=979843
Access rights Closed access
Type Dissertação de mestrado profissional
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/48305

Show full item record




File

File Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Search


Browse

Statistics

My Account