Acompanhantes ou infernizantes? A difícil interação entre o técnico em enfermagem e a família do paciente hospitalizado

Show simple item record

dc.contributor.advisor Ribeiro, Circea Amalia Ribeiro [UNIFESP] pt
dc.contributor.author Silva, Maria Cristina Ferreira Carlos Rodrigues da [UNIFESP]
dc.date.accessioned 2018-07-27T15:50:53Z
dc.date.available 2018-07-27T15:50:53Z
dc.date.issued 2015-01-23
dc.identifier https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=3042779 pt
dc.identifier.citation SILVA, Maria Cristina Ferreira Carlos Rodrigues da. Acompanhantes ou infernizantes? A difícil interação entre o técnico em enfermagem e a família do paciente hospitalizado. 2015. 118 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2015.
dc.identifier.uri http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/46812
dc.description.abstract This qualitative study aimed to understand the meaning the nursing technician assigns to the experience of interacting with the hospitalized patient's family and to find out if the nursing technician has already been in contact with some content related to family care. We used the Symbolic Interactionism and the Qualitative Analysis of Content as the theoretical and the methodological frameworks, respectively. The participants were nine nursing technicians from two health care institutions, and the strategies used for data collection were participant observation and semi-structured interviews. The comparative analysis of the data allowed the identification of the conceptual category COMPANIONS - A BLESSING OR A CURSE? THE DIFFICULT INTERACTION BETWEEN THE NURSING TECHNICIAN AND THE FAMILY OF THE HOSPITALIZED PATIENT. It revealed that the nursing technician considers the interaction with family members very difficult, even complicated, as companions demand and complain too much when they are not attended immediately; making a lot of noise and a "mess", besides disturbing, nagging and supervising rather than helping. However, at the same time, nursing technicians recognize the importance of the presence of family for the patient to be better managed and also for the health professional. For lack of content on the topic family care in their training and professional life, the nursing technician recognizes that the only content developed in their courses was humanization, which is not consistent with their professional reality because they cannot utilize this concept to interact with the family. The study also revealed that when faced with this situation, the nursing technician develops strategies to relate with family members. We emphasize the importance of including contents on the topic of family care in technical schools, technical nursing programs and in health care institutions. en
dc.description.abstract Este estudo, de abordagem qualitativa, teve como objetivos compreender o significado atribuído pelo técnico em enfermagem à vivência de interagir com a família do paciente hospitalizado e conhecer se o técnico em enfermagem já interagiu com algum conteúdo relacionado ao cuidado da família. Utilizou-se como referencial teórico o Interacionismo Simbólico e metodológico a Análise Qualitativa de Conteúdo. Os participantes foram nove técnicos de enfermagem de duas instituições assistenciais e, as estratégias utilizadas para a coleta de dados foram: a observação participante e a entrevista semiestruturada. A análise comparativa dos dados permitiu a identificação da categoria conceitual ACOMPANHANTES OU INFERNIZANTES? A DIFÍCIL INTERAÇÃO ENTRE O TÉCNICO EM ENFERMAGEM E A FAMÍLIA DO PACIENTE HOSPITALIZADO e revelou que o Técnico em enfermagem considera a interação com os familiares muito difícil e, até mesmo, complicada, pois estes cobram e reclamam demais quando não são atendidos de imediato, fazem algazarra e ?bagunça?, além de atrapalharem, infernizarem e fiscalizarem ao invés de ajudar, embora reconheçam a importância da presença do familiar para que o paciente seja melhor assistido e também ao próprio profissional. Por falta de conteúdo sobre o tema família em sua formação e vida profissional, o técnico em enfermagem reconhece que o único conteúdo desenvolvido foi a humanização, o que não condiz com sua realidade profissional, pois não consegue relacionar os conceitos relativos à humanização às questões da interação com a família. O estudo revelou ainda que, frente a essa situação, o técnico em enfermagem desenvolve estratégias para se relacionar sem atrito com os familiares. Reitera-se a importância da inclusão do conteúdo sobre a temática da família nos cursos de formação de técnicos em enfermagem e nas instituições de saúde. pt
dc.format.extent 118 p.
dc.language.iso por
dc.publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
dc.rights Acesso restrito
dc.subject family en
dc.subject nursing en
dc.subject vocational education en
dc.subject nursing technical education en
dc.subject humanization en
dc.subject família pt
dc.subject enfermagem pt
dc.subject educação profissionalizante pt
dc.subject educação técnica em enfermagem pt
dc.subject humanização pt
dc.title Acompanhantes ou infernizantes? A difícil interação entre o técnico em enfermagem e a família do paciente hospitalizado pt
dc.type Dissertação de mestrado
dc.contributor.institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) pt
dc.identifier.file 2015-0286.pdf
dc.description.source Dados abertos - Sucupira - Teses e dissertações (2013 a 2016)
unifesp.campus São Paulo, Escola Paulista de Enfermagem (EPE) pt
unifesp.graduateProgram Enfermagem pt
unifesp.knowledgeArea Ciências da saúde pt
unifesp.researchArea Enfermagem pt



File

File Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search


Browse

Statistics

My Account