Tecnologias de informação e comunicação: percepção dos profissionais de saúde e educação sobre sua utilização para acesso à informação sobre o crack

Show simple item record

dc.contributor.advisor Nappo, Solange Aparecida Nappo [UNIFESP] pt
dc.contributor.author Novais, Maykon Andersom Pires de [UNIFESP]
dc.date.accessioned 2018-07-27T15:50:29Z
dc.date.available 2018-07-27T15:50:29Z
dc.date.issued 2016-08-31
dc.identifier https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=4933475 pt
dc.identifier.citation NOVAIS, Maykon Andersom Pires de. Tecnologias de informação e comunicação: percepção dos profissionais de saúde e educação sobre sua utilização para acesso à informação sobre o crack. 2016. 129 f. Tese (Doutorado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2016.
dc.identifier.uri http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/46569
dc.description.abstract Introduction: Crack, a cocaine derivative, is considered a devastating drug due to its physical, psychological and social effects. Initially restricted to the city of São Paulo, with great penetration in the lower social classes, is currently disrupting social and geographical barriers, being present in all Brazilian cities. It has become a major challenge, especially for professionals working in prevention of use, such as teachers and those involved in users? treatment, such as health professionals. Quick access to right information is one of the most efficient ways for these professionals to combat the drug and its consequences. Objectives: To identify the information and communication technologies used by health and education professionals to assist in training and updating of technical and scientific knowledge about crack, exchange of experiences and development of programs to prevent consumption and treatment of addicts. Also, to examine the access to information deficiencies observed by the investigated professionals. Methodology: The objective was reached from the interviewees. It used a qualitative methodology that allows the understanding of the phenomenon from the point of view of one who experiences it. Purposive sample by criteria was built and techniques of qualitative research were used: semi-structured interviews, triangulation analysis and key informants. Results: The study resulted in the presentation of differences between the way key informants and education and health professionals sought information. In both cases internet was the preferred source, however key informants sought information on sites of scientific journals and reference centers, while education and health professionals did free searches on the internet to consume information. Discussion: The literature does not reflect a broad scope of the specific area, but relates the problem of access to health information to other characteristics, which compromises the professional training, expanding the performance spectrum of quality health and education professionals. The data, when analyzed and compared, presented a very fertile panorama for training health and education professionals, especially as it compares to the reference professionals (key informants). Conclusion: The scope of the study concluded that the sources of information about crack are diverse, but focused on digital technologies, especially the internet and its specific tools. It also finds that health and education professionals are not trained solidly on the subject of study. en
dc.description.abstract Introdução: O crack, um derivado da cocaína, tem sido considerado uma droga devastadora devido a seus efeitos físicos, psíquicos e sociais. Inicialmente restrito à cidade de São Paulo, com grande penetração nas classes sociais mais baixas, vem rompendo barreiras sociais e geográficas, tornando-se presente em todas as cidades brasileiras. Tem se transformado num dos maiores desafios dos profissionais que atuam na prevenção do uso, como os professores, e daqueles envolvidos no tratamento de usuários, como os profissionais de saúde. O acesso ágil à informação correta, por esses profissionais, é uma das formas mais eficientes para combater a droga e suas consequências. Objetivos: Identificar as Tecnologias de Informação e Comunicação utilizadas pelos profissionais de saúde e de educação para auxílio na formação e atualização do conhecimento técnico-científico acerca do crack, na troca de experiências e no desenvolvimento de programas de prevenção ao consumo e tratamento dos dependentes. E, ainda, analisar as deficiências de acesso à informação observadas pelos profissionais investigados. Metodologia: O objetivo foi alcançado a partir da visão dos entrevistados. Assim, foi usada metodologia qualitativa que permite entender o fenômeno a partir daquele que o vivencia. Amostra intencional por critérios foi construída, e técnicas de investigação qualitativa foram utilizadas: entrevistas semiestruturadas, triangulação de análise e informantes-chave. Resultados: O estudo registrou divergências entre a forma pela qual informanteschave e profissionais de educação e saúde buscaram informação. Em ambos os casos, a fonte preferida foi a internet, porém os informantes-chave buscaram a informação em sítios da internet de centros de referência e periódicos científicos, enquanto os profissionais de educação e saúde fizeram buscas livres na internet para consumir informação. Discussão: A literatura pesquisada não reflete um escopo amplo sobre a área específica, mas relata com outras especificidades a problemática do acesso à informação em saúde, o que compromete a capacitação profissional e a ampliação xi do espectro de atuação com qualidade de profissionais de saúde e educação. Os dados, quando analisados e confrontados, apresentam um panorama pouco fértil para capacitação dos profissionais de saúde e educação, principalmente quanto se compara com os profissionais de referência (informantes-chave). Conclusão: A amplitude do estudo permitiu concluir que as fontes de informação acerca de crack são diversas, mas concentram-se nas tecnologias digitais, principalmente a internet e suas ferramentas específicas. Conclui-se também que os profissionais de saúde e educação não são solidamente capacitados sobre a temática de estudo. pt
dc.format.extent 129 p.
dc.language.iso por
dc.publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
dc.rights Acesso restrito
dc.subject crack-cocaine en
dc.subject information and communication technology en
dc.subject health en
dc.subject cocaína crack pt
dc.subject tecnologia de informação e comunicação pt
dc.subject saúde pt
dc.title Tecnologias de informação e comunicação: percepção dos profissionais de saúde e educação sobre sua utilização para acesso à informação sobre o crack pt
dc.type Tese de doutorado
dc.contributor.institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) pt
dc.identifier.file 2016-0425.pdf
dc.description.source Dados abertos - Sucupira - Teses e dissertações (2013 a 2016)
unifesp.campus São Paulo, Escola Paulista de Medicina (EPM) pt
unifesp.graduateProgram Gestão e Informática em Saúde pt
unifesp.knowledgeArea Multidisciplinar pt
unifesp.researchArea Interdisciplinar pt



File

File Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search


Browse

Statistics

My Account