Tratamento do linfedema de membro superior após a cirurgia de câncer de mama por meio do fortalecimento muscular associado à terapia física complexa

Tratamento do linfedema de membro superior após a cirurgia de câncer de mama por meio do fortalecimento muscular associado à terapia física complexa

Author Luz, Roberta Pitta Costa Autor UNIFESP Google Scholar
Advisor Facina, Gil Facina Autor UNIFESP Google Scholar
Institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Graduate program Medicina (Ginecologia)
Abstract Objective: Compare the complex physical therapy alone or with the combination of muscle strength training in patients with lymphedema after treatment for breast cancer. Methods: Prospective randomized study trial selected patients from April 2014 to December 2015. The complex physical therapy (CPT) group performed CPT and the strengthening group (ST) held CPT associated with muscle strengthening. The study enrolled 42 patients, six included by intention to treat, with CPT group (n=22) the ST group (n= 20).Patients in group strengthening performed 2 sets of 10 repetitions exercises at 40% of maximum resistance during the first week, increasing to 3 sets with 10 repetitions during the second week and on the third week 3 sets with 15 repetitions. The treatment was carried out for eight weeks, 50 minutes per session, twice per week. From sixteen sessions, patients could have no more than four absences, totaling at least twelve sessions at the end of the study. Results: Both groups showed similar improvement, increasing the range of motion in: shoulder flexion, extension, adduction, abduction and external rotation. The same did not happen with internal rotation, which showed less improvement in ST group compared to the CPT (p=0,034). For shoulder strength variables, both groups showed the same pattern of improvement. Regarding upper limb volumetry, the ST group had a greater volume when compared to CPT group (p=0,006), both before and after treatment. However, the effect of variance between time and group was not significant (p=0.797). On ST group there was a reduction on lymphedema volume comparing before (1ª session) and after (16ª session) treatment (p<0.001). Conclusion: There was no difference between CPT associated with strengthening exercises and performed alone. However, strengthening exercises can be performed by patients with lymphedema without increasing the risk of upper limb volume.

Objetivo. Comparar a terapia física complexa ou descongestiva de forma isolada com a associação do treino de força muscular em pacientes que desenvolveram linfedema após o tratamento do câncer de mama. Métodos. Estudo prospectivo e randomizado, selecionou pacientes de abril 2014 a dezembro de 2015. O grupo TFC realizou a terapia física complexa (TFC) e o grupo fortalecimento (FM) realizou a TFC associada ao fortalecimento muscular. Participaram do estudo 42 pacientes, sendo seis incluídas por intenção de tratamento, no grupo TFC (n=22) e grupo FM (n=20). O grupo Fortalecimento realizou os exercícios com de carga 40 % de resistência máxima (RM) na primeira semana, duas séries de 10 repetições na segunda semana e três séries de 10 repetições e a partir da terceira semana realizou três séries 15 repetições. O tratamento foi feito por oito semanas, 50 minutos por sessão, duas vezes por semana; das 16 sessões, as pacientes poderiam ter no máximo quatro faltas, totalizando no mínimo 12 sessões no final do estudo. Resultados. Ambos os grupos apresentaram o mesmo padrão de ganho, com aumento da amplitude de movimento nas variáveis: flexão do ombro, extensão, adução, abdução e rotação externa. O mesmo comportamento não foi seguido pela rotação interna, em que o grupo FM apresentou menor ganho quando comparado ao grupo TFC (p=0,034). Para variáveis de força de ombro, ambos os grupos apresentaram o mesmo padrão de ganho. Em relação à volumetria dos membros superiores, o grupo FM teve maior volume quando comparado ao grupo TFC (p=0,006), tanto no tempo 1 (1ª sessão) quanto no tempo 2 (16ª sessão). Entretanto, não foi detectado o efeito de variância entre os tempos e grupos (p=0,797). Já no grupo FM, notou-se diminuição do volume ao se comparar o tempo 1 (1ª sessão) o tempo 2 (16ª sessão) (p<0,001). Conclusão. O treino de força muscular associado a TFC pode ser realizado em pacientes que desenvolveram linfedema após o tratamento do câncer de mama. Não há diferenças entre TFC associada a FM ou realizada de forma isoladamente quando se analisaram variáveis de força e de amplitude de movimento. Por outro lado, FM teve resultado positivo na volumetria.
Keywords breast neoplasms
lymphedema
rehabilitation
strength training
neoplasia da mama
reabilitação
linfedema
treino de força
Language Portuguese
Date 2016-12-31
Published in LUZ, Roberta Pitta Costa. Tratamento do linfedema de membro superior após a cirurgia de câncer de mama por meio do fortalecimento muscular associado à terapia física complexa. 2016. 74 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2016.
Research area Medicina
Knowledge area Ciências da saúde
Publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extent 74 p.
Origin https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=3990008
Access rights Closed access
Type Dissertation
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/46361

Show full item record




File

File Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Search


Browse

Statistics

My Account